quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Iniciada campanha de combate à violência contra a mulher

A Prefeitura de Paço do Lumiar, por meio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos, iniciou nesta segunda-feira, 19, a campanha "16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres" no município. O lançamento ocorreu no Instituto de Ensino Superior Franciscano (IESF), no Maiobão.

A abertura da campanha teve a participação de diversas autoridades, entre elas a secretária de Estado da Mulher, Terezinha Fernandes; da vice-prefeita de Paço, Maria Paula Azevedo; do secretário municipal de Direitos Humanos, José Vale; da secretária de Planejamento e Articulação Política e primeira-dama de Paço do Lumiar, Nubia Feitosa Dutra, que realizou a palestra de abertura Violência contra a Mulher, entre outras autoridades e convidados.

O objetivo da campanha é chamar a atenção da sociedade para os fatores que tornaram comum a agressão às mulheres, principalmente por companheiros, pais e parentes próximos. Também objetiva mobilizar e conscientizar a população para que denuncie todos os tipos de violência praticados contra meninas e mulheres no Brasil e no mundo. O principal canal de denúncia é o Ligue 180.

Feminicídio

A delegada Viviane Azambuja, coordenadora do Departamento de Feminicídio da Superintendência Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa, que também participou do evento, afirmou que enfrentar o feminicídio é o principal objetivo de campanhas com esta dos 16 dias.

Ela explicou que Lei do Feminicídio, que entrou em vigor em 2015, veio para ajudar no combate à violência de gênero e está dando maior visibilidade às ações. Ela revelou que mais de 90% dos casos referem-se à violência doméstica. “As mortes acontecem por ciúmes, pela não aceitação do fim do relacionamento por parte do companheiro, entre outros motivos”, exemplificou. Nas delegacias as principais notificações de violência à mulher são: violência sexual, psicológica, negligência e tortura.

A secretária de Planejamento e Articulação Política de Paço do Lumiar, Nubia Feitosa, que é advogada e psicóloga, em sua palestra sobre a "Violência contra a Mulher”, levou o público a raciocinar a respeito do conhecimento integral como forma de identificar os sinais de comportamento violento por parte dos companheiros. Dando como exemplos um quadro de Van Gogh e a música de Chico Buarque, "Cálice", a dra. Nubia demonstrou que aspectos que podem parecer óbvios num primeiro momento, se observados sob outra visão, mostram muito mais sobre as pessoas, crenças e costumes da sociedade. E esta abordagem pode ajudar a uma convivência mais harmônica entre as pessoas, entre os casais.

É preciso que campanhas como esta dos 16 dias tenham efeito prático. É necessário que as mulheres identifiquem os sinais de que seu companheiro pode ser seu algoz. Geralmente começa com agressões verbais e atitudes violentas no dia-a-dia que caminham para agressões físicas e tentativas de homicídio. A mulher tem como identificar esses sinais e, o mais importante, evitar ser mais uma vítima de feminicídio”, observou dra. Nubia Feitosa.

Ao final da solenidade, houve o depoimento da radialista Adriana Santos, da Rádio Cultura de Paço do Lumiar, que no início do mês foi vítima de agressão pelo seu ex-namorado Eduardo Cruz, advogado, no escritório do seu agressor, no Maiobão. Adriana foi agredida pelo advogado e duas funcionárias do escritório, conforme registrou em B.O. Ela está com um braço imobilizado e demonstra estar ainda muito abalada com o ocorrido. “Hoje eu me sinto insegura até ao levar meu filho na escola. E uma das coisas que mais me doem, além das agressões que sofri, é ver mulheres defendendo o agressor. Mesmo assim, é preciso romper a barreira do medo e denunciar”, afirmou a radialista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário