terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

PCdoB decide expulsar a vereadora Drielle da Pindoba, alegando infidelidade partidária.

Drielle da Pindoba
A situação da vereadora Drielle da Pindoba, julgada nesta segunda-feira (27) pela Comissão Processante da Executiva Municipal do PCdoB em Paço do Limiar, culminou com a sua expulsão da legenda. O motivo foi que a edil optou por apoiar o adversário político de campanha do prefeito da sua chapa. 

Além da traição ao seu partido nas eleições de 2016, Drielle foi novamente contra os interesses da sua legenda na eleição da mesa diretora da Câmara Municipal, e acabou apoiando o vereador Marinho do Paço (PROS). Embora o PCdoB tenha apenas um assento no legislativo luminense, o voto da vereadora foi fundamental para garantir que Marinho fosse eleito. O regimento da Câmara determina que a chapa com mais votos elege o presidente. Caso a edil tivesse seguido as determinações do seu partido o PCdoB, e não mudasse de lado, a eleição da mesa diretora teria outro resultado.

Na ocasião o presidente do PCdoB, o prefeito eleito Domimgos Dutra relatou que ninguém havia recusado a filiação da então candidata. "Eu já conhecia a militância da família. Da luta da Concita, sua mãe. E de suas irmãs. Mas o partido tem suas determinações. Acho um desperdício de tempo nós estarmos aqui discutindo essa situação. O município está destruído. Mas é o que devemos fazer enquanto partido". Enfatizou o presidente que votou pela expulsão da vereadora.

Dutra relatou que já havia conversado com a então candidata Drielle de sua obrigatoriedade partidária de apoiar o candidato do seu partido PCdoB. Disse que os apoiadores de campanha de Drielle não tinham obrigação, por não serem filiados ao partido. Mas ela sim. "Mesmo assim ela se confinou num hotel com os vereadores. Aqui temos fotos publicadas e que nunca foram negadas via nota. Registros de Drielle, Leão, Roberval e Concita da Pindoba. Ao lado de Gilberto Aroso toda empolgada fazendo sinal de é 10". Destacou o presidente da agremiação.

A Executiva Municipal do PCdoB, já confirmou que o partido vai solicitar imediatamente a perda de mandato da vereadora Drielle. Caso ela perca o mandato, o suplente a ser convocado é Paulinho do Lima Verde, que teve 395 votos. Pela lei brasileira, o cargo de vereador pertence ao partido. Se o político sai do partido ou é expulso, a vaga fica para o suplente da legenda.

A vereadora Drielle da Pindoba está com a corda no pescoço, se não conseguir reverter a decisão na Justiça, deverá perder o mandato.

Câmara Municipal

Após o anúncio do resultado da votação da Comissão Processante da Executiva Municipal do PCdoB, que levou expulsão da vereadora, o presidente do legislativo luminense, o vereador Marinho do Paço que teve o apoio de Drielle, para vencer a eleição da mesa diretora, se manifestou em um grupo do WhatsApp e chamou os filiados do PCdoB, de "vagabundos" e disse que irá defender a vereadora com unhas e dentes. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário