sexta-feira, 13 de maio de 2016

Com cúpula de Temer na mira da Lava Jato, PMDB deve tentar neutralizar danos.

Ascensão do vice à Presidência coincide com momento em que o núcleo duro de sua equipe está no foco das investigações do petrolão

Ou o futuro presidente Michel Temer garroteia a Lava Jato ou a Lava Jato deve devastar o seu governo.

É esse cabo de guerra silencioso que aguarda o novo presidente. Por uma das ironias da história, a ascensão de Temer à Presidência coincide com o momento em que a cúpula do PMDB torna-se um dos focos principais da investigação da Lava Jato.

O problema para Temer não é só o número de envolvidos da cúpula do PMDB com suspeitas de propina, mas a proximidade deles com o novo presidente.

O grupo de suspeitos inclui o círculo que articulou com Temer o processo que culminou no afastamento da presidente Dilma Rousseff. Além do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afastado da Câmara pelo Supremo, são investigados na Lava Jato os ministros do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Romero Jucá, da Casa Civil, Eliseu Padilha, do Turismo, Henrique Alves, e da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO), o ex-ministro Moreira Franco.

Jucá, o principal articulador político de Temer, é citado em delações de executivos da Camargo Corrêa e da Andrade Gutierrez como recebedor de suborno por causa de grandes obras no setor elétrico, como a usina nuclear Angra 3 e Belo Monte.

Também é citado como articulador de medidas que favoreceram a OAS em mensagens enviadas por Léo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira. Jucá nega enfaticamente todas as acusações.

Alves é acusado de ter recebido propina da OAS, repassada a ele a pedido de Eduardo Cunha, segundo as mensagens encontradas no celular de Léo Pinheiro. Alves diz em sua defesa que são contribuições legais para a sua campanha a deputado.

Já Eliseu Padilha e Moreira Franco foram citados pelo então senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) em sua delação como políticos que deram apoio a sua indicação para diretor da Petrobras em 1999, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Delcídio confessou que recebeu propina no cargo. Moreira confirmou ter apoiado a indicação de Delcídio, mas nega ter recebido benefícios. Já Padilha nega que ter indicado o ex-senador, cassado por seus pares na terça (10).

Assim como ocorreu com Cunha, todos eles podem ser abatidos pela Lava Jato se as investigações continuarem no mesmo ritmo com que a operação começou, em março de 2014.

Missão Impossível
É óbvio que o PMDB vai tentar evitar aquilo que o PT, Dilma e o ex-presidente Lula não conseguiram: buscar neutralizar ou reduzir os danos da Lava Jato.

A tarefa tem algo de missão impossível, mas os procuradores da Lava Jato, tanto em Curitiba como em Brasília, trabalham com a hipótese de que o PMDB vai tentar fazer alguma manobra para salvar a cúpula do partido.

Peemedebistas chegaram a cogitar até uma anistia a Cunha, que funcionaria como uma medalha para o ímpeto com que conduziu o processo de impeachment na Câmara, mas o plano foi neutralizado pela decisão do Supremo Tribunal Federal.

Para piorar a situação, Temer tem sido extremamente ambíguo ao falar sobre a Lava Jato. Ele já se manifestou pelo menos três vezes sobre a apuração desde que a Câmara aprovou a admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff, em 17 de abril, sem nunca ter dito as palavras mágicas que os investigadores da Lava Jato querem ouvir dele: "Eu apoio incondicionalmente a apuração".

Na primeira manifestação, Temer disse que apoiava a Lava Jato. Foi tão vago na declaração que o PSDB forçou-o a incluir esse apoio num dos programas para o eventual futuro governo.

Depois convidou para o Ministério da Justiça o advogado Antonio Claudio Mariz de Oliveira, que sempre criticou os métodos da Lava Jato e, em entrevista à Folha, propôs mudanças na legislação de um dos esteios da operação: as delações premiadas.

A entrevista foi considerada tão desastrada que Mariz, amigo e advogado de Temer, foi descartado do cargo.

Na terceira intervenção, Temer disse em entrevista à GloboNews que não via problemas em nomear para o seu ministério investigados pela Operação Lava Jato. "Em um plano mais geral, o que eu posso dizer é que a investigação ainda é o que é, uma investigação. Então, não sei se isso é um fator impeditivo de uma eventual nomeação."

Próximos Capítulos
Procuradores interpretaram a manifestação como um sinal de desdém pela maior investigação sobre corrupção já feita no Brasil.

Essa tentativa de parecer olímpico ao tsunami da Lava Jato pode mudar rapidamente. O nome de Temer já foi citado em duas negociações de delação que estão em curso: as da Odebrecht e OAS.

Até agora seu nome só apareceu marginalmente na Lava Jato, citado por dois delatores. Delcídio disse que Temer endossou a indicação de um diretor para a BR Distribuidora, João Augusto Henriques, que teria feito negócios ilícitos com etanol –o que Temer nega. Henriques foi detido em setembro de 2015 e continua preso.

Outro delator, o empresário Julio Camargo, disse que ouvira dizer que Temer teria se beneficado de um negócio na Petrobras com navios-sonda no qual Cunha teria recebido R$ 5 milhões –o presidente também refutou de maneira veemente a acusação.

Há ainda uma citação ao presidente interino em mensagem enviada por Cunha a Léo Pinheiro. No textinho enviado pelo celular, o ex-presidente da Câmara cobra o empreiteiro por ter dado a Temer R$ 5 milhões de uma só vez e atrasado contribuições para outros peemedebistas.

Temer disse que os R$ 5 milhões foram doação legal da OAS, não propina.

Informações - Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário