sexta-feira, 11 de março de 2016

Prefeitura de Raposa promove ação de combate ao mosquito Aedes Aegypti.

Para reduzir os índices de infestação do mosquito da dengue, a Prefeitura Municipal de Raposa através da Secretaria Municipal de Saúde, realizou nesta quinta-feira (10) mais um dia de grande mobilização contra o Aedes aegypti. O mutirão aconteceu na Vila Bom Viver, onde agentes de saúde, fizeram visitas em casas e terrenos baldios a procura de focos do mosquito. A ação visa conscientizar e mobilizar a população sobre as medidas que devem ser realizadas para evitar a proliferação do mosquito causador da dengue, febre chikungunya e a perigosa zika vírus.

Durante o mutirão, as equipes fazem também o tratamento necessário nos imóveis visitados, com a colocação de larvicida. Os agentes de saúde ainda recolhem resíduos potencialmente favoráveis à proliferação do inseto, como recipientes, pneus, tampas de garrafas, cacos e outros materiais.

O mutirão faz-se necessário, pois é importante realizar as prevenções básicas para evitar o nascimento do mosquito que transmite essas doenças, o Aedes aegypti. “Com o esforço concentrado de todos podemos reduzir os níveis de infestação pelo mosquito Aedes, eliminando seus focos nas residências, comércios, escolas, e não jogando lixo em terrenos baldios. Queremos transmitir o conhecimento e buscar a união de todos no combate ao mosquito, evitando assim, que as pessoas adoeçam”, disse a secretária adjunta municipal de Saúde, Meirilene Tavares.

Este ano, a preocupação com as ações preventivas aumentaram por causa da febre chikungunya e do zika vírus, ambos transmitidos pelo mesmo mosquito. Por isso é necessário que toda população colabore na prevenção contra essas doenças”, frisa a secretária, ressaltando sobre a importância dos moradores colaborarem com as atividades, permitindo que os agentes entrem nas residências.


Sigas as dicas para evitar focos do mosquito
- Não deixar a água se acumular em recipientes como, por exemplo, vasos, calhas, pneus, cacos de vidro, latas e etc.
– Manter fechadas as caixas d’água, poços e cisternas.
– Não cultivar plantas em vasos com água. Usar terra ou areia nestes casos.
– Tratar as piscinas com cloro e fazer a limpeza constante. O ideal é deixá-las cobertas ou vazias quando não for usar por um longo período.
– Manter as calhas limpas e desentupidas.
– Avisar um agente público de saúde do município caso exista alguma situação onde há o risco de proliferação da doença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário