quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Aprenda a não servir mais de "escada" para vereador de mandato nas eleições de 2016 em Paço do Lumiar.

Havia um velho hábito entre os pantaneiros no transporte de boiadas pelo Pantanal Matogrossense de sacrificar um boi velho e doente sempre que fosse preciso atravessar um rio cheio de piranhas, assim, enquanto as piranhas se ocupavam do boi dado em sacrifício, a boiada passava incólume do outro lado, preservando assim a vida da maioria.

Já na política, as coisas sempre funcionam ao contrário do interesse da maioria. Para salvar o pescoço dos bois velhos e doentes (vereadores em exercício de mandato) que dificilmente conseguiriam se reeleger caso contassem apenas com os votos recebidos pelos eleitores, sacrificam, sem a menor cerimônia, todo um grupo de novos candidatos (boiada) cujos votos, assim com o sangue e a carne do boi de piranha pantaneiro, irão garantir uma reeleição segura para elementos que, na prática, são reprovados pela população.

Mas como isso acontece?
O sistema de eleição proporcional brasileiro (eleições legislativas para vereadores e deputados) funciona dividindo o número de vagas em disputa pelo número de votos válidos, desta divisão sai um número de votos à serem atingidos (quociente eleitoral) que garantirão aos grupos em disputa (partidos e coligações) eleger representantes para ocupar essas vagas sempre que atingirem esse número.

Peguemos como exemplo a nossa cidade de Paço do Lumiar que na última eleição para vereador (2012) teve 15 cadeiras de vereador em disputa, e um total de 40.729 (93,06%) votos válidos. Sendo que foram 43.768 votos apurados, com 961 (2,20%) votos em branco, 2.078 (4,75%) votos nulos, e 3.654 (7,71%) abstenções.

Dividindo os votos válidos que foi 40.729 pelas 15 vagas disponível na Câmara Municipal, chegamos à um quociente eleitoral de 2.715 votos, ou seja, sempre que a somatória dos votos de todos os candidatos de um determinado partido ou coligação atingiram 2.715 votos ou múltiplos deste, este partido garantiu a eleição do primeiro colocado da lista de candidatos. Algo que no papel parece justo, mas na prática revela-se uma armadilha para o eleitor que vota num candidato novo contando com a renovação da Câmara Municipal, e seu voto neste candidato novato, só serve de boi de piranha para garantir a reeleição do vereador que encabeça a lista de candidatos.

Para se ter uma idéia do quanto esse sistema é lesivo e enganador, o vereador segundo mais votado nas eleições 2012, foi Alderico Campos (DEM) que obteve 1.095 votos, nem a metade dos votos necessários para garantir a sua reeleição (2.715), ou seja, os outros 1.620 votos que garantiram a reeleição de Alderico Campos vieram de candidatos novos, a “boiada de piranha”, gente que entrou para a política com a proposta de renová-la, mas acabou tendo seus votos abocanhados pelos políticos tradicionais.

Aliados políticos, Alderico Campos e Jorge Maru com a turma Carmen, Gilberto e Fred são especialistas nessa área, e nas eleições de 2016 irão usar essas táticas pra enganar muitos.  
Os vereadores que se julgam “oposição”, Alderico Campos e Jorge Maru sempre pegaram essa “via segura” no município, são especialista nesse ramo, eles passam o papo numa turma de abestados e criam ilusões na cabeça destes candidatos novos que dão a cara à tapa nas eleições, mas lutam em vão. Pra se ter novamente, um exemplo claro da falta de análise desse novos candidatos, Jorge Maru foi menos votado que Alderico Campos, porém garantiu sua reeleição com apenas 1.062 votos, ou seja, 1.653 dos votos que garantiram a reeleição de Jorge Maru foram votos de cidadãos que queriam eleger candidatos novos e que em nenhum momento imaginavam que seu voto fosse parar na conta de Jorge.

E como fazer para burlar isso?
Primeiro tem que se acabar com os candidatos de aluguel, que participam do processo eleitoral, apenas para somar votos para os candidatos cabeça de chapa que pagam para ser candidatos. Três em cada quatro eleitores luminenses, nas últimas eleições votaram em candidatos novos, rejeitando de maneira clara o clientelismo praticado pela grande maioria dos vereadores em exercício, entretanto, matreiramente, este vereadores, assim como acontece neste exato momento de olho nas eleições do ano que vem, simulam divergências internas para saírem do partido e se infiltram em outros, e as vezes iludem a maioria dos candidatos novos, afirmando que a melhor maneira de se eleger é do lado de quem tem mais voto, que puxa o de baixo. Tudo para iludir os bestas, pois uma chapa constituída só por bois velhos (vereador em mandato) não conseguiria reeleger nem 1/3 deles, fazendo com que muitos deles morressem na praia.

A ÚNICA SAÍDA para quem quer ter a certeza de que seu voto não vai cair em mãos erradas, é VOTANDO EM CANDIDATOS DE PARTIDOS QUE NÃO POSSUEM VEREADORES EXERCENDO MANDATO.

Votando em candidatos novos que estejam disputando em condição de igualdade com candidatos novos, você garante que alguns destes atuais vereadores que estão a anos no legislativo, nunca mais pisem na câmara como vereadores e cumpram seu papel de bois velhos e doentes dando espaço para a caravana passar.

Pense nisso, não seja mais um abestado como muitos em Paço do Lumiar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário