quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Confronto entre a PM e invasores, após reintegração de posse deixa uma pessoa morta no bairro do Turu.

Cabo da PM acabou matando um jovem durante reintegração de posse.

Uma operação da Polícia Militar para o cumprimento de uma ordem judicial, na manhã desta quinta - feira dia 13, para desocupação de prédio em área urbana, no Turu, acabou em confronto entre policiais e manifestantes. Durante a ação da PM, o cabo identificado como Marcelo Monteiro dos Santos, que integrava a operação, disparou tiro contra um dos manifestantes, e atingiu o jovem Fagner Barros dos Santos, 19 anos, que estava fazendo parte do protesto, a bala atingiu a cabeça, e ele veio a óbito no local.

O confusão ocorreu na Rua da Liberdade, durante um protesto contra a reintegração de posse da área que foi ocupada há três semanas. A vítima fatal entre outros moradores, ocupava uma parte do terreno.

O corpo do jovem foi levado para Upa do Araçagi. Uma mulher e uma criança, segundo informações também teriam sido atingidas durante o tumulto. As demais vítimas ainda não foram identificadas.

O cabo da PM que efetuou o disparo contra o jovem, se encontra preso e será autuado em flagrante delito na Delegacia de Homicídios. Ele responderá a processo, que vai apurar responsabilidade dos disparos, assim como a do comandante da operação.



No início da tarde os moradores do local, interditaram a Avida Sampaio Corrêa , revoltados também com a morte do jovem de 19 anos.


Nota


Em nota, o governo do Estado do Maranhão informou que em cumprimento de ordem judicial, a Polícia Militar do Estado do Maranhão deflagrou na manhã desta quinta (13) operação para desocupação de prédio em área urbana, no Turu. Sem ordens superiores e em descumprimento à lei, o cabo Marcelo Monteiro dos Santos, que integrava a operação, disparou tiro contra um dos manifestantes que, infelizmente, veio a óbito.


O Governo do Estado do Maranhão repudia veementemente a ação isolada do policial, o qual já se encontra preso e será autuado em flagrante delito na Delegacia de Homicídios. Ele responderá a processo, que vai apurar responsabilidade do cabo que efetuou o disparo e do comandante da operação.


O Estado do Maranhão informa ainda que prestará toda a assistência necessária à família da vítima através da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular.

Nenhum comentário:

Postar um comentário