sexta-feira, 17 de julho de 2015

Governo nomeia mais 176 excedentes do Concurso do Detran e acaba com terceirização nas Ciretrans.

Governador Flávio Dino assina nomeação dos novos servidores do Detran
O governador Flávio Dino nomeou na manhã desta quinta-feira (16) mais 176 aprovados no concurso público do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), realizado em 2013. O órgão vai convocar os concursados após a publicação do ato de nomeação no Diário Oficial do Estado. Serão chamados três analistas de trânsito e 173 assistentes. Esta será a segunda lista de convocação de excedentes feita na gestão Flávio Dino, em menos de três meses. Com os novos servidores, o Governo acaba com a terceirização de mão de obra nas Circunscrições Regionais de Trânsito (Ciretrans).

Para o governador, o aumento no quadro de servidores no Detran vai melhorar a prestação de serviços ao público, um dos seus principais compromissos. “A posse dos novos servidores vai ajudar a diminuir as filas no Detran e faz parte de um conjunto de medidas que tem gradativamente modernizado o departamento”, afirma Flávio Dino.

O diretor-geral do Detran, Antonio Nunes, revela que esta segunda nomeação de excedentes vai dar fim à terceirização da mão de obra nas 15 Ciretransdo Maranhão. “Hoje, metade dos funcionários das Ciretrans ingressaram no Detran por meio do concurso público. A maioria dos novos convocados assumirá o cargo no interior do Maranhão, e desta vez, a quantidade nomeada é suficiente para acabar com a terceirização nas Ciretrans”, afirmou Nunes.

No fim de março, o Governo do Estado nomeou 154 concursados. Com a nova nomeação, sobe para 330 a quantidade de excedentes convocados pelo Detran até agora. A nomeação atende ao acordo entre o Governo do Estado e o Ministério Público do Trabalho, celebrado em janeiro deste ano, e que prevê a substituição gradativa da mão de obra terceirizada no Detran, até 2017, por servidores aprovados em concurso público.

O acordo livrou o Estado de uma dívida trabalhista bilionária. Em janeiro de 2013, a Justiça do Trabalho notificou o Detran, exigindo que as atividades-fim do órgão fossem executadas somente por servidores aprovados em concurso público. Por conta das gestões anteriores não cumprirem a determinação, o Estado foi penalizado com uma dívida trabalhista que acumulada chegou a mais de R$ 1 bilhão. “Com o acordo que celebramos, a dívida foi reduzida para R$ 500 mil, que serão convertidos na compra de capacetes e equipamentos de proteção para motociclistas profissionais. A doação para motoboys e mototaxistas será feita em 2016”, anuncia o diretor-geral do Detran, Antonio Nunes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário