sexta-feira, 8 de maio de 2015

Mais um ato desumano da prefeita Thalyta Laci contra os servidores contratados.

A que ponto chegou a desastrosa administração do município de Raposa.

Informações - oquartopoder com adaptações do blog do Rilton Silva

Udes Filho, o presidente da Câmara Eudes Barros, o vereador Laurivan e o Promotor de Justiça Reinaldo Campos.
Mais um ato covarde e desumano partiu da administração horrorosa da prefeita Thalyta Laci (PC do B), nesta terça – feira (05). Após uma reunião na Sede da Promotoria de Justiça do município de Raposa, onde estavam presentes o promotor Reinaldo Campos, os vereadores Eudes Barros, Laurivan , Ivaldo, além do jornalista Udes Filho e do blogueiro Adriano Mais e o procurador do município. Como todos sabem, a prefeita Thalyta Laci não teve a coragem de mostrar a cara, e através do seu procurador geral, que foi identificado apenas como Dr. Cristiano, a situação dos contratados acabou sendo esclarecida de uma vez por todas.

Ao ser indagado pelos vereadores e pelos profissionais de imprensa presentes, sobre a situação dos contratados e de seus vencimentos atrasados, o Dr. Cristiano não mediu palavras e afirmou: “Não existe condição alguma de que a atual gestão venha a pagar estes contratados”. Contrariando assim, a decisão da prefeita anteriormente que solicitou aos contratados, que nenhum abandonasse seu posto de trabalho e que quem quisesse trabalhar não seria demitido.

O Procurador do município, ainda afirmou na maior cara de pau, que não existem contratos e não há comprovação legal dos contratos destes funcionários junto à Prefeitura. E disse na maior tranquilidade que os contratados que se acham prejudicados, devem ingressar com ações na Justiça do Trabalho, para que assim, abalizada pela Justiça, a Prefeitura possa pagar, talvez de forma indenizatória.

O jornalista Udes Filho questionou o procurador geral sobre os motivos de o setor de Recursos Humanos da Prefeitura de Raposa não ter repassado antes essa informação aos contratados, já que segundo relatos dos funcionários, a própria gestão tem pedido aos exonerados copias de documentos como livro de ponto, para comprovação dos meses trabalhados, com a justificativa de que poderiam ser pagos.

Sempre orientei o Recursos Humanos que informasse aos contratados a real situação e que não poderíamos fazer estes pagamentos, já que não se tem ciência legal destes supostos contratos”, disse o Dr. Cristiano.

Com a decisão, a prefeita Thalita Laci sem dó nem piedade, deixou centenas de pessoas que dependem dos seus salários, para sustento de seus familiares, em uma situação complicada.

Os contratados que desejarem ingressar na Justiça do Trabalho devem procurar a Câmara do Município de Raposa, munidos de documentos pessoais, para receberem as orientações do advogado da Casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário