segunda-feira, 27 de abril de 2015

Luis Fernando chega ao ninho como líder de peso.

Luis Fernando Silva entrou no PSDB com o pé direito e de cabeça erguida.


Filiação de Luis Fernando no PSDB entrou pra história.
O ex-prefeito de São José de Ribamar e ex-pré-candidato ao Governo do Estado pelo PMDB Luis Fernando Silva tornou-se neste sábado (25-03) um dos mais importantes quadros do PSDB no Maranhão, num ato de filiação partidária cuja dimensão há muito não se via no estado. Realizado no Rio Poty Hotel, o evento político ultrapassou todas as expectativas em volume de presença e no peso dos líderes das mais diversas cores partidárias que foram lhe dar as boas vindas, a começar pelo governador Flávio Dino (PCdoB), que saudou a conversão do pemedebista ao tucanato em meio a intensos aplausos.

Mais do que o ritual político tradicional de filiação partidária, o ato de sábado foi claramente o primeiro passo concreto do ex-homem-forte do Governo Roseana Sarney como pré-candidato à Prefeitura de São José de Ribamar. Isso porque ao longo da reunião toda ênfase foi dada a esse projeto, que ele não confirmou explicitamente, mas que foi enfatizado por todos os que lhe saudaram. Um dos discursos mais enfáticos nessa direção foi o do prefeito Gil Cutrim, que praticamente o lançou e deixou claro que vai apoiá-lo integralmente.

Luis Fernando Silva entrou no PSDB com o pé direito e de cabeça erguida, atendendo a um convite que lhe fora feito pelo presidente estadual da legenda, o vice-governador Carlos Brandão. A filiação foi o ponto culminante de uma costura política longa e cuidadosa realizada pelo prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira. Tanto que o convite foi chancelado por todos os líderes do PSDB do Maranhão e, mais do que isso, avalizado pelo governador Flávio Dino e pelos chefes dos partidos que formam a grande coalizão que dá suporte ao Governo do Estado.

Para se ter uma ideia do vitral partidário que lhe saudou, do ato participaram o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT), o ex-governador e atual deputado federal João Castelo (PSDB), o ex-deputado federal Jaime Santana (PSDB), o senador Roberto Rocha (PSB), o ex-deputado federal Gastão Vieira (na corda bamba entre o PMDB e o PROS), os deputados federais Pedro Fernandes (PTB), Waldir Maranhão (PP), Eliziane Gama (PPS), os deputados estaduais Eduardo Braide (PTN), Antônio Pereira (DEM), Raimundo Cutrim (PCdoB), os ex-deputados federais Simplício Araújo (PROS) e Domingos Dutra (SD), além de grande número de prefeitos, muitos vereadores e líderes políticos de base das mais diversas cores partidárias, incluindo aí o PMDB.

Chamou a atenção o fato de que Luis Fernando Silva saiu de um extremo partidário para outro sem lesão como político, como gestor público ou como cidadão comum. Todos os discursos de saudação foram enfáticos nesse registro. Foi lembrada à exaustão sua longa e bem sucedida carreira como gestor público, não fazendo diferença se essa aconteceu no grupo adversário ao que o abraçou agora. Todas as vozes destacaram sua gestão maiúscula na Prefeitura de São José de Ribamar. E foi apontado por todos como um político correto, que em nenhum momento renegou o grupo liderado pela ex-governadora Roseana Sarney, que lhe deu todas as oportunidades de mostrar que é bom no que faz.

Luis Fernando Silva tem agora uma longa e desafiadora caminhada pela frente. O primeiro desafio será voltar à Prefeitura de São José de Ribamar e repetir ali a excelência administrativa que marcou os seis anos que passou como gestor municipal. Terá de confirmar também o seu desempenho como secretário estadual de Educação e de Infraestrutura, assim como demonstrar a correção e a firmeza como chefe da Casa Civil. Sabe que como tucano a realidade será bem diferente, mas é exatamente essa diferença que exigirá dele a competência como gestor.

Em plano mais geral, a conversão de Luis Fernando Silva ao tucanato fortalece muito o PSDB na Ilha de São Luís e no Maranhão como um todo. Pode-se avaliar como um gol de placa de Sebastião Madeira e Carlos Brandão, que sonham voos mais altos e precisam de um partido forte para embalá-los. E vista por outro ângulo, o PSDB poderá fazer planos mais arrojados tendo o novo cardeal à frente. É como dizia Lister Caldas, uma das mais importantes raposas políticas que o Maranhão produziu no século passado: Quem viver verá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário