quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Deputados discute mudanças na legislação que regulamenta o Transporte Alternativo.

Deputados e membros de Cooperativas de Transportes Alternativos discutem modificações da Lei 7.736.



O deputado estadual Júnior Verde (PRB) e membros de Cooperativas de Transportes Alternativos do Maranhão discutiram, nesta terça (24), as modificações da Lei 7.736, que trata do serviço público de transporte alternativo intermunicipal e semi-urbano no Estado. O parlamentar apresentou emenda que modifica aspectos da Lei, em conjunto com deputado estadual Max Barros, com o objetivo de melhorar a atividade.

Os representantes da categoria foram recebidos no gabinete do parlamentar e solicitaram o empenho na aprovação das alterações, que serão encaminhadas para apreciação e análise das Comissões, como a de Constituição e Justiça, para posterior votação em plenário.

O presidente da Cooperativa de Paço do Lumiar, Lourival Ferreira, comemorou as modificações, que tratam de itens como: a operacionalização, condições de trabalho e regulamentação da atividade. “Foi uma iniciativa importante, pois mudou a redação de alguns artigos que vão melhorar muito nosso trabalho”, disse Lourival.

Eles pediram ainda maior atenção em questões como a fiscalização e a padronização dos veículos. “Precisamos garantir uma fiscalização eficiente, pois, sem ela, não podemos coibir a atuação de veículos irregulares. Além disso, a padronização é imprescindível para permitir que haja essa fiscalização”, acrescentou o presidente da entidade.

Vou acompanhar de perto a apreciação dessas alterações pelas comissões do Legislativo estadual para que esse processo ocorra o mais célere possível. Eu e o deputado Max Barros vamos nos empenhar para unir os parlamentares em defesa desta importante atividade, que já é regulamentada em estados como Pará, Piauí e Rio Grande do Norte”, garantiu o parlamentar.

Um comentário:

  1. A primeira providencia concreta a ser tomada seria a retirada dessas latas velhas que põem em risco a vida de tanta gente em perigo todo dia, muitas , ou seja , a maioria desses ferros velhos, são adquiridas nas oficinas de sucatas em São Paulo.

    ResponderExcluir