quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Motociclista é atropelado por carro de Auto Escola e tem a perna esmagada no Maiobão.

Um motociclista não identificado teve sua perna esmagada após acidente na avenida 01 do Maiobão. 

Por Judson Carlos - blog

Um acidente envolvendo um carro usado para as aulas práticas de uma auto escola e uma motocicleta deixou duas pessoas ferida na manhã desta terça - feira, 18, por volta do meio dia, na Av.1 do conjunto maiobão. 

A senhora gestante que estava na garupa da moto caiu e teve vários ferimentos que por conta de muita dor chegou a desmaiar no local. Já o condutor da motocicleta caiu e em razão do acidente teve vários ferimentos., o homem teve fratura nas duas pernas e fêmur esquerdo, além de escoriações nas costas, barriga e ambos os braços. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi até o local e prestou os primeiros socorros que foi encaminhado para o Socorrão 2. 


Quero deixar nosso registro que a equipe móvel da Samu demorou chegar no local do acidente, e assim o motociclista perdeu muito sangue, o atraso foi grande para gravidade do acidente.


11 comentários:

  1. E isso é só o começo sem falar nos profissionais que esse prefeito botou sem saber fazer nada, tirou os que entraram sem saber e já estavam qualificados por recurso proprio e lançou gente que não sabe nem fazer um acesso venoso, tenho é pena dos moradores deste municipio

    ResponderExcluir
  2. Terça feira 19???
    como assim?
    nao seria quarta?

    ResponderExcluir
  3. Caro blogueiro,
    Antes de lançar "registros" claramente desprovidos de conhecimento técnico ou mesmo embasamento teórico, conveniente seria que vossa senhoria se acercasse do mínimo de entendimento sobre a estrutura e funcionamento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Se assim o fizesse, compreenderia o somatório de fatores que implicam no indicador tempo-resposta a um chamado de emergência. Para tanto, não é necessário que seja profissional de saúde, tão somente que seja comprometido com a realidade dos fatos que traz a público. Certamente foge ao seu conhecimento o fato de que região metropolitana de São Luís conta, em média, com 16 ambulâncias por dia para realizar TODOS os atendimentos de urgência e emergência dentro dessa gigantesca área geográfica e populacional (quase 1 milhão de habitantes). Perfazendo a trilha do conhecimento sumário, saberia também que Paço do Lumiar conta com duas ambulâncias (quantitativo mínimo preconizado pelo Ministério da Saúde) para o atendimento de uma população aproximada de 105 mil habitantes (conforme o IBGE). Ora, penso que tais informações tragam um pouco mais de clareza quanto às dificuldades logísticas que o serviço subdimensionado enfrenta. Para sua ciência e melhor compreensão convém mencionar que a autorização para que qualquer ambulância saia das bases ou pontos de apoio, parte da Central de Regulação, localizada no Bacanga, em São Luís com a qual tanto as ambulâncias de Paço do Lumiar quanto de São José de Ribamar guardam relação de subordinação (conforme legislação específica). Espero que tais esclarecimentos sejam úteis para que vossa senhoria cumpra seu papel social de comunicador de forma contumaz, sem apelo desnecessário ao desmérito de um serviço essencial como o do SAMU.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou seja, mostra que o serviço é falho. Em minutos que poderiam ser cruciais para salvar a vida de alguém, se perdem devido a "BUROCRACIA" criada por pessoas que não dependem deste serviço. Ao invés de buscar justificativas para o injustificável, poderia buscar soluções para que o SAMU fosse mais eficaz. At

      Excluir
    2. Bem se vê que o "Anônimo" em questão não é livresco pois de interpretação de texto percebe-se de longe que nada entende. Há sim explicação para o que você denomina injustificável: atende pelo nome de ingerência ou má gestão dos recursos públicos. Obviamente um serviço subdimensionado e repleto de vícios estruturais traz, em gênese, o estigma de ser falho e isso infelizmente excede o âmbito local - é uma problemática de proporções nacionais. Assista aos noticiários ( nem precisa se aprofundar conhecendo detalhes da logística de recursos humanos e materiais) e veja quantos brasileiros perecem diariamente a falta de atendimento de urgência por retenção de macas nos corredores de emergências território afora. Digo mais, a solução para o problema, passa por mim e por você também: ao escolhermos nossos representantes, assumimos o ônus de fiscalizar e cobrar o que é correto e digno para a coletividade. E a burocracia, meu caro, muitas vezes é necessária, especialmente quando se trata do serviço público, de amplitude "erga omnes", ou você gostaria de ter seu atendimento ou transporte até um hospital interrompido na metade do processo, porque a ambulância precisou atender outra pessoa´? Seria correto, justo? Deixar de atender ou mal atender a você ou um parente seu em estado grave porque houve outra ocorrência, será que os minutos não seriam cruciais em ambos os casos? Isso é justificar o injustificável? Ou você acha que 16 ambulâncias em São Luís inteira têm condições de atender prontamente quase 1 milhão de habitantes? Seja honesto (a) e em vez de lançar críticas desprovidas de fundamento faça você também a sua parte. Exerça seu direito democrático de forma consciente para poder cobrar do poder público as melhorias que espera.

      Excluir
  4. Ao que parece, ANÔNIMO (A) foi um (a) dos tantos vínculos precários desligados da Base Descentralizada de Paço do Lumiar - a bem do serviço público, diga-se de passagem! O discurso bem traduz mágoa injustificada e tentativa frustrada de desqualificação da competência dos profissionais atualmente lotados no serviço em sua maioria profissionais de vínculo efetivo, admitidos via concurso público. Bastante questionável mesmo era a qualificação "dos que entraram sem saber" e sem merecer e de tão qualificados se mostraram que seguem, em bom número (salvo exceções pontuais), endossando as estatísticas do desemprego no país.

    ResponderExcluir
  5. Essa deve estar ganhando algo extra para defender esse municipio que esta afundando, faz o teu serviço bem feito que você não é politica e talvez nem more aqui para saber o quanto os luminenses sofrem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mostre a "cara" anônimo (a) - pois fica difícil saber se sua insatisfação não traz oculta certa mágoa por ter sido um dos que perdeu o "extra" que menciona, e isso prejudica o juízo de valor que emite, já que parece assaz contrariado (a) com o fato de não ganhar uma "boquinha" ilegalmente num contrato irregular de trabalho. Eu posso e devo sim falar do município em que trabalho, em cargo de provimento efetivo e admitida via concurso público, seja criticando ou defendendo o que é correto e justo, não preciso ganhar um "extra" e nem ser política pra fazer isso, muito pelo contrário - cumpro meu dever de cidadã (e de funcionária pública). Ao contrário de você (que não sei se é o mesmo Anônimo do comentário anterior), EU posso falar com propriedade das dificuldades e particularidades do serviço no qual trabalho - embasada em fatos concretos e indicadores reais. Não lanço por ai mero comentário pernicioso e desprovido de fundamentação teórica. Ou acaso é necessário ser morador de Paço pra conhecer as problemáticas que assolam a população?? Eu pelo menos, não carrego a culpa de colaborar com a perpetuação de administrações públicas que pouco têm investido em ações que visem o bem estar da coletividade. Já você, morador (a) do Paço deve fazer um exame de consciência e ponderar até que ponto não colabora ou colaborou para a situação em questão, quando elegeu "democraticamente" seus representantes.

      Excluir
    2. Entenda outra coisa, Anônimo (a): uma das benesses de ser funcionário de provimento efetivo é, além da estabilidade, não ter necessidade de "vender a alma" pra não perder o emprego, é poder questionar abertamente qualquer injustiça ou arbitrariedade impetrada contra si ou que acarrete risco a população que se assiste - isso é executar minhas atribuições de forma ética e pautada na moralidade que deve ser inerente ao serviço público, pois gestores no município passarão e meu vínculo como o de outros efetivos permanecerá (felizmente não dependemos da política, nem de promessas eleitoreiras). Não significa porém, que se vai compactuar com propositura infundada de quem não tem legitimidade ou propriedade para tratar de certa matéria. A verdade dói, o desemprego mais ainda, mas foi um bem justo e necessário a exoneração em massa de apadrinhados políticos que nem sempre eram dotados de competência para ocuparem os cargos onde estavam e é até compreensível que algumas dessas pessoas tentem desqualificar o trabalho daqueles que os substituíram legalmente pois concurso público é a única forma legítima de ingresso no serviço público. Isso é uma premissa constitucional, agora se você entende isso como "defender" a gestão, talvez seja o momento de retornar aos bancos escolares e se empenhar no estudo da língua portuguesa, lhe será muito útil na interpretação de textos escritos.

      Excluir
  6. Estão criticando apenas o atendimento móvel, mais as vezes a imprudência tb é de quem conduz , andam na contra mão, n respeitando as leis de trânsito.

    ResponderExcluir
  7. acho muito estranho o carro de auto escola bater em moto, pq tem uma lei que nao devemos nos aproximar dos carros de auto escola uns 5 metros, temos que dar muita distancia e nao buzinar para nao assutar o condutor.. nunca vi isso ... até pq o instrutor ta do lado orientando..agora resta saber se esse motoqueiro estava correto ao andar na via, e se ele estava a 40 km/h, pois no maiobão a maioria andam como desesperado...loucos atropelam as crianças indo para as ecolas..fazem manobras loucas..e ainda querem ter razão! sinceramente MUITO ESTRANHO ESSE ACIDENTE!

    ResponderExcluir