segunda-feira, 24 de março de 2014

Relatório da CGU consta que Luís Fernando usou verba da saúde de Ribamar para abastecer carro da Prefeitura de Mangabeiras.

Relatório da CGU consta que Luís Fernando usou verbas da saúde para abastecer veículo pertencente a outro município.

Por Leandro Miranda/ Blog Marrapá

Relatório de Fiscalização da Controladoria-Geral da União (CGU) aponta que o secretário Luís Fernando (PMDB), quando prefeito de São José de Ribamar, usou verbas da saúde para abastecer veículo pertencente a Prefeitura de São Raimundo das Mangabeiras.

O desvio foi constatado pela CGU após analisar notas fiscais de fornecimento de combustíveis para manutenção de programas de saúde, com recursos oriundos de um convênio com o governo federal no valor de R$ 2, 6 milhões.


A CGU constatou o abastecimento de vários veículos que não estavam na relação de carros e motos à disposição da Secretaria Municipal de Saúde de Ribamar. Entre eles o da Prefeitura de São Raimundo das Mangabeiras.

“Ressalte-se, ainda, que, da relação de veículos da Secretaria Municipal de Saúde, no total de 29 (vinte e nove), um está em nome da Prefeitura de São Raimundo das Mangabeiras (NHD 2090)”, diz trecho do relatório.

A prefeitura ainda tentou justificar os abastecimentos, mas o argumento foi refutado pela CGU. “Quanto ao abastecimento de veículos que não estão relacionados na frota da SMS (Secretaria Municipal de Saúde) o Gestor não apresentou provas documentais que os mesmos prestam serviços a Secretaria Municipal de Saúde”, ratificou.

A CGU também flagrou o incrível abastecimento de uma moto que rodou, em apenas nove dias, 10.932 quilômetros, o equivalente a 1/4 do necessário para dar uma volta em redor da terra.

As irregularidades encontradas na gestão Luís Fernando Silva (2005-2010), pré-candidato a governador do Estado apoiado pelo grupo Sarney, são alvo de uma ação do Ministério Público Federal por improbidade administrativa.

O ex-prefeito também é investigado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) por convênios assinados com o governo Roseana Sarney, pagos e não executados.

Veja o documento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário