quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Processo de municipalização das escolas estaduais em Paço do Lumiar causa alvoroço em Professores.

Professores da rede estadual que trabalham nas escolas que serão municipalizadas, esvaziaram as salas de aula, atraídos por vagas que lhes garantiriam ficar em escolas próximas, as suas residências. 

A reunião desta terça-feira (21) entre o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (SINPROESEMMA), gestores e professores de Paço do Lumiar e a secretária adjunta de Ensino da Secretaria de Estado da Educação, Leuzinete Pereira da Silva, pretende esclarecer gestores, professores e funcionários das 11 escolas que serão municipalizadas naquela cidade. Desde o início de janeiro, informações desencontradas surpreenderam os educadores que não sabem como e até que ponto serão atingidos pelo mapeamento para municipalizar o ensino.

“Provocamos o Estado para tratar sobre o problema na reunião com os professores”, conta o presidente do SINPROESEMMA, Júlio Pinheiro, explicando que, já se reunira na semana anterior com 70 professores em Paço do Lumiar.

“O encaminhamento da reunião com a Secretaria é estabelecer um calendário de visitas da Seduc, escola por escola, para explicar aos gestores e professores todo o processo de municipalização”, resume Pinheiro.

O gestor auxiliar de escola em Paço do Lumiar, Arilson Oliveira Pires, que também participou da reunião, diz que a municipalização necessita de mais precisão entre as informações que saem da Seduc e as que chegam aos gestores e professores.

Ele conta que a informação passada aos professores pelos gestores escolares estabelecia em dois anos o período que os docentes poderiam continuar lotados nas atuais escolas. Esse seria o tempo necessário para a prefeitura contratar ou realizar concurso para novos professores; os antigos iriam voltariam a atuar em outras escolas estaduais.

No início do ano, a informação mudou: o mapeamento teria de ser feito até 6 de janeiro, dando a entender que os professores poderiam ser remanejados sem prévio aviso. A falta de informações corretas deixou gestores e professores com os nervos à flor da pele. Na saída da reunião com a secretária adjunta, uma gestora queixou-se de ser cardíaca e estar sendo submetida a um estresse muito grande devido á pressão dos professores diante de toda essa confusão.

Medo de perder

O pavor que tomou conta de professores e gestores é compreensível. Eles temem perder seus lugares em sala de aula ou mesmo ser deslocados para escolas muito distantes, com prejuízo radical em sua rotina – principalmente para os que têm mais de uma matrícula.

“Eu mesmo me preocupei como seria se fosse transferido para uma escola no Anjo da Guarda, por exemplo”, comenta Arilson, com a mesma angústia que tem perturbado outros professores luminenses.

Resultado dos boatos: docentes esvaziaram as salas de aula, atraídos por vagas que lhes garantiriam ficar em escolas próximas.

A secretária adjunta de Ensino diz, no entanto, que a Seduc tem feito um processo gradual e que, na medida do possível, quer compatibilizar a municipalização com os interesses dos professores. Ela explica que, como medida legal, o Estado tem, até 2016, para a universalização com aumento de vagas do ensino médio.

Ela explica que haverá remanejamento de professores do ensino médio que, para suprir uma necessidade, tiveram de assumir salas de aula do ensino fundamental.

Por telefone, o secretário adjunto de Coordenação das Unidades Regionais de Educação, Tadeu Lima, garantiu que o mapeamento será feito nas próprias escolas e de forma gradual.
Informações. Sinproesemma com adaptações.

4 comentários:

  1. Também blogueiro, o prefeito Josemar continua a cometer erros grotescos, faz o processo de municipalização e não senta com os educadores e o principal com os estudantes.

    ResponderExcluir
  2. SEMPRE FALO AOS MEUS AMIGOS QUE ESSE PROCESSO DE MUNICIPALIZAÇÃO É UMA LOUCURA, SE FORMOS ANALISAR ALGUMAS ESCOLAS ESTUDAIS DO MAIOBÃO ESTÃO EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES, COMO O GOVERNO MUNICIPAL VAI PEGAR ESSA BOMBA. JOSEMAR JÁ RECLAMAR QUE NÃO TEM DINHEIRO, IMAGINE QUANDO ESSAS ESCOLAS PASSAR PARA PAÇO DO LUMIAR, O CERTO SERIA REESTRUTURAR AS QUE JÁ EXISTEM NO MUNICÍPIO, PRA DEPOIS JUNTO AO GOVERNO DO ESTADO TRAÇAR METAS PARA O PROCESSO DE MUNICIPALIZAÇÃO.

    ResponderExcluir
  3. Gente se o homem diz que resolve, vamos aguarda! Agora só queremos que depois que a bomba explodir ele não venha com essa ladainha de que não tem dinheiro pra reformar escolas.

    ResponderExcluir
  4. É muito interessante isto acontecer. Paço do Lumiar já tão de repente tem verbas para tudo isso, as maioria das escolas estão necessitando de reformas, enfim tudo que são preciso.Isso é um absurdo pois as maioria dos professores moram perto de seu trabalho.Tenha piedades Sr. Prefeito pois o maior número de eleitores que lhe elegeu são professores Maiobão.

    ResponderExcluir